Conecte-se conosco

Geral

Relógio da ENERGISA continua marcando mesmo com todos os equipamentos de residência desligados

Publicado

em

Na tarde desta quarta-feira (23) a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga graves denúncias de práticas abusivas contra os consumidores de energia elétrica em Rondônia realizou a terceira reunião ordinária, e ouviu o diretor Geral da Politec, Domingos Sávio de Oliveira, o perito Eduardo Damião, o presidente do Sinpec, Josias Batista da Silva, Sérgio Muniz Neves da Defensoria Pública, o ex-governador e superintendente do Sebrae Daniel Pereira, e o secretário Adjunto da Sefin Franco Maegaki Ono. 

Presidida pelo deputado Alex Redano (Republicano), com a presença dos membros Ismael Crispin (PSB) vice-presidente da CPI, Jair Montes (Avante)- relator da CPI, Cirone Deiró (Podemos), Jhony Paixão (PRB), Edson Martins (MDB) e Adelino Follador (DEM), a CPI informou que membros da Comissão sofrem ameaças da integridade física 

O deputado Jair Montes pediu reforço na segurança parlamentar da Assembleia Legislativa e denunciou que está sendo ameaçado por conta da relatoria da CPI. Fez questão de ressaltar que não vai abrir mão de suas convicções e que fará um relatório justo e honesto em defesa do povo. 

O presidente Alex Redano também anunciou ter recebido várias denúncias e foi alertado por amigos e autoridades para tomar cuidado e redobrar as atenções com a segurança. O parlamentar disse que esses fatos não vão intimidar os deputados, e que a CPI está cada vez mais forte. “A defesa da nossa população é prioridade neste momento do meu mandato”, pontuou. 

Redano ressaltou não é verdade a declaração da Energisa de que os furtos de energia, os chamados “gatos”, geram prejuízo, pois essa perda é repassada para o consumidor de Rondônia. Segundo ele, existe uma portaria da Aneel que permite esse tipo de repasse ao consumidor final. Sugeriu que esse tema seja debatido pela CPI e que sejam tomadas providências, para preservar o direito do consumidor.

Fotos: José Hilde

O consumidor Silvio Dalla Veccaia Marques, do município de Ariquemes, compareceu à CPI para relatar o aumento de consumo e no valor da energia na residência.

Afirmou que não está sendo feita a leitura do relógio medidor, e sim uma média, com cálculos não explicados. Segundo ele, a conta de energia subiu de R$ 300 para R$ 4.650 reais. “Chamamos um técnico e mesmo desligando todos os equipamentos eletrônicos da casa, o relógio continuou marcando o consumo alto de energia”, disse.  Silvio apresentou a CPI um vídeo, onde o técnico contratado pela família faz a vistoria e comprova que mesmo sem carga elétrica o relógio continuou trabalhando e marcando o consumo.  

O deputado Jair Montes orientou a família a formalizar um processo junto a Defensoria Pública para evitar que a empresa faça o corte de energia elétrica na residência, além de fazer a mesma denúncia junto a Ouvidora da Casa de Leis. 

Lei proíbe Energisa de cortar fornecimento de energia em feriados e fim de semana

Técnico do IPEM confirma que relógios da Energisa marcaram 40% a mais que o consumo real

O que diz a ENERGISA?

O Jornal Eletrônico Portal de Rondônia entrou em contato com a ENERGISA, que enviou a seguinte nota:

No dia 06 de setembro, a unidade consumidora teve o medidor inspecionado, em procedimento de rotina, e foi observado que havia irregularidade no equipamento. O  medidor foi substituído, com o conhecimento do morador, e encaminhado para o IPEM, onde aguarda aferição.

Depois da substituição do medidor, o cliente solicitou a aferição do novo medidor. Nessa quinta-feira (24), uma equipe da Energisa Rondônia esteve na residência para realizar a inspeção, mas não havia ninguém que pudesse acompanhar o procedimento. A equipe fará uma nova tentativa amanhã, sexta-feira (25).

Vale ressaltar que a Energisa Rondônia segue as normas estabelecidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica e preza pela transparência em todos os seus processos.

Por Portal de Rondônia com informações de ALE/RO

As principais notícias do estado.

Mais lidas da semana

error: Ė vedada a reprodução de conteúdo sem a citação da fonte ou autorização do proprietário