Conecte-se conosco

Auxílio Emergencial

Dez milhões de brasileiros ainda não conseguiram receber o auxílio emergencial

Três meses depois do início da pandemia do coronavírus, mais de 10 milhões de pessoas ainda não conseguiram receber nenhuma parcela do benefício.

Portal de Rondônia

Publicado

em

Enquanto o governo estuda o valor do auxílio emergencial nas próximas parcelas, mais de 10 milhões de brasileiros ainda não conseguiram receber o benefício.

É um desabafo de quem enfrenta necessidades:

“Eu dei entrada no meu auxílio emergencial dia 7 de abril. Eu sou babá, sou autônoma e pago o meu INSS, mas agora perdi o meu emprego de babá e estou vivendo de ajuda dos outros”, diz a babá Nazaré Barbosa de Araújo.

Segundo a Caixa Econômica, 10,5 milhões de brasileiros estão na mesma situação. O pedido do auxílio emergencial continua em análise. Nem a primeira parcela foi autorizada pelo governo.

“Tem dias que eu acordo e falo: ah, hoje vai. Aí eu vou lá olho e nada. Está em análise. É difícil”, afirma a operadora de caixa Flaviane Ramos Vieira Landim.

Zemar também olha para o aplicativo há 61 dias. A tela não muda. O motorista de ônibus foi demitido no começo da pandemia e estava em contrato de experiência.

“A fome não espera e as contas também não esperam. Então de emergencial esse auxílio não tem nada, só nome fictício, porque na verdade não é emergencial porque eu dou entrada e não sai de análise”, diz o motorista de ônibus Zemar Ferreira Gomes Júnior.

No dicionário, o significado da palavra emergencial é aquele que tem caráter de urgência, que não pode ser adiado. Por exemplo: quem tem fome e precisa do dinheiro para comer. Quem entendeu o significado da palavra emergencial foram os vizinhos. Eles também estão desempregados, receberam os R$ 600 e dividiram com a família do Zemar.

Alecssandro da Cruz Rocha é mecânico. Sem emprego há quatro anos, ele sabe o que é dificuldade e tentou amenizar o sofrimento dos amigos.

“Fiz e faço de novo, faço de novo. Não só porque são meus amigos, até por um desconhecido eu também faria a mesma coisa”, afirma Alecssandro.

Até agora, mais de R$ 76 bilhões foram pagos na primeira e na segunda parcelas do benefício. Quase 60 milhões de brasileiros já receberam o auxílio emergencial.

Para o economista Otto Nogami esse número poderia ser bem maior se governo federal tivesse pedido ajuda às prefeituras. O que, para ele, evitaria essa demora.

“A prefeitura é que, na verdade, tem acesso à sua população. Sabe exatamente onde estão essas pessoas, então isso daria uma celeridade maior, não só na identificação como no próprio auxílio à busca do benefício. Então a prefeitura poderia servir até como uma peneira para exatamente evitar que pessoas inabilitadas tentassem acessar o sistema”, afirma Otto Nogami, professor de Economia do Insper.

A Dataprev informou que dos 10,5 milhões de pedidos que ainda estão em análise, 8,9 milhões estão em fase final de homologação no Ministério da Cidadania. O ministério ainda não deu retorno ao nosso contato para esclarecer quando esse processo será concluído.

CPI dos Auxílios

O advogado Breno Mendes que acompanha o andamento dos auxílios desde o começo, defende a abertura de uma CPI dos Auxílios para apurar todas as fraudes, ilegalidades e irregularidades que estão fazendo muitos brasileiros serem lesado, constrangido e humilhado.

Por Portal de Rondônia com informações de Jornal Nacional

O Jornal Digital Portal de Rondônia é um portal de notícias independente compromissado em transmitir os fatos, leva as principais notícias de Rondônia, do Brasil e do Mundo.