Conecte-se conosco

Geral

IPEM entra na justiça para continuar recebendo R$ 1 milhão da Energisa

Portal de Rondônia

Publicado

em

Instituto de Pesos e Medidas, que deveria fiscalizar irregularidades nos relógios medidores de energia, entra na justiça para continuar recebendo R$ 1 milhão da Energisa

O Jornal Tudo Rondônia revelou nesta quinta-feira que o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Rondônia (IPEM), que deveria defender os interesses dos consumidores rondonienses, ingressou na justiça solicitando uma liminar para continuar cooperando com a Energisa no arrocho que a empresa particular vem dando nos seus milhares de clientes desde que assumiu o comando da  antiga Ceron.

O desembargador Renato Martins Mimessi, do Tribunal de Justiça de Rondônia, negou pedido de liminar  em mandado de segurança impetrado pelo IPEM contra o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da Assembleia Legislativa instaurada para apurar graves denúncias de irregularidades praticadas pela Energisa contra os consumidores.

No mandado de segurança, o Instituto tenta manter um contrato com a distribuidora de energia para aferir os medidores retirados das residências e comércio para investigação de sua conformidade.

A CPI da Energisa expediu recomendação para que o órgão do Estado pare de trabalhar para a companhia energética.

Foi justamente contra esta medida legislativa que a direção do IPEM se insurgiu e foi à justiça visando suspendê-la por meio de liminar. E o órgão usou como argumento que o contrato mantido com a Energisa é benéfico aos consumidores.

 Ao rechaçar os argumentos do IPEM, o  desembargador  Renato Martions Mimessi, relator do mandado de segurança no TJ RO, anotou: “… é cediço do embate travado atualmente entre a Energisa, sucessora da Eletrobrás, e a população rondoniense, em razão dos questionamentos acerca da confiabilidade na aferição dos relógios medidores de energia elétrica, tendo em vista a reclamação em massa da população acerca do aumento da energia mensal cobrada de inúmeras consumidores, supostamente decorrente da substituição dos relógios e alegação de eventual  ‘recuperação de consumo’ pelo mau funcionamento dos relógios anteriores ou pela cobrança excessiva proveniente das leituras dos novos relógios instalados”.

Segundo o magistrado, “é também de conhecimento público e notório a enxurrada de ações judicais ajuizadas por essa razão, sendo que na maioria das vezes a Energisa tem se valido de relatórios expedidos justamente pelo IPEM para justificar as exorbitantes cobranças levadas a efeito. O fato de ter vindo a público a existência de contrato de prestação de serviços entre a concessionária e o IPEM/RO, atingindo valores milionários, fato confirmado pelo impetrante, também não pode ser olvidada neste momento, já que a as matérias divulgadas na mídia após as audiências públicas realizadas pela ALE tem colocado em xeque a credibilidade dessas aferições, na medida em que ‘o Ipem, órgão que deveria fiscalizar os relógios para ajudar a defender o consumidor de supostos abusos, é prestador de serviços da Energisa, através de um contrato de mais de R$ 1 milhão’, segundo o relator da CPI, Deputados Jair Montes, em matéria divulgada em  sítio eletrônico, em 14/11/19”. 

Fonte: Tudo Rondônia

O Jornal Digital Portal de Rondônia é um portal de notícias independente compromissado em transmitir os fatos, leva as principais notícias de Rondônia, do Brasil e do Mundo.

error: Ė vedada a reprodução de conteúdo sem a citação da fonte ou autorização do proprietário