Conecte-se conosco

Geral

Veja fotos da transferência de Marcola, líder do PCC, para o presídio de Porto Velho

Publicado

em

Foto: Reprodução

Sob forte esquema de segurança, o líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, deixou a Penitenciária Federal de Brasília (PFBRA) nesta quinta-feira (3/3) e desembarcou em Porto Velho, Rondônia, por volta das 13h. A coluna teve acesso a fotos e vídeos que mostram o forte aparato montado para garantir a segurança da operação.

Marcola estava algemado com as mãos para frente, calçava chinelos e vestia o uniforme usado pelos presos federais. Fortemente armados, agentes federais de execução penal federais escoltaram o líder da maior facção criminosa do país até um furgão, que o levou até a aeronave.

O chefe máximo da facção paulista estava no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), na PFBRA, em São Sebastião, desde 22 de março de 2019. Antes chegar à capital federal, o líder do PCC já havia passado por Rondônia e por outras unidades que compõem o sistema penitenciário federal.

Mal estar

A chegada dele ao Presídio Federal de Brasília causou mal-estar entre o então ministro da Justiça, Sergio Moro, e o governador Ibaneis Rocha (MDB). O chefe do executivo local era vigorosamente contrário à permanência de lideranças de facções no Distrito Federal. À época, o emedebista mostrou-se preocupado com a segurança da capital da República, já que familiares e integrantes dos grupos criminosos se instalariam na cidade para ficarem mais perto de seus comandos.

Em declaração à coluna nesta quinta-feira, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, ressaltou que a transferência de Marcola do DF era uma das prioridades em sua gestão. “Todos sabem que eu nunca concordei com a permanência de líderes de facção na capital federal. Brasília não é melhor que qualquer outra cidade, mas temos características únicas no país, e isso tem que ser levado em consideração. Desde o primeiro momento em que soube que Marcola estaria aqui, ainda como secretário de Segurança Pública do DF, fui contrário”, lembrou.

“Ao assumir o MJSP, comecei a tratar o tema como uma das minhas prioridades. Questões logísticas, operacionais, e a própria pandemia fizeram com que isso não pudesse de imediato ser realizado. Hoje, após extensa análise de inteligência e minucioso planejamento operacional, finalizamos esse processo, que seguirá com outras lideranças pelo país afora, pois o rodízio dentre elas, nos mais variados presídios, é fator importante de segurança”, concluiu.

Líder

Marcola foi preso pela primeira vez pela polícia paulista, no final da década de 1990, por roubos a carros-fortes e bancos. Já na prisão, também foi condenado por formação de quadrilha, tráfico de drogas e homicídio.

Recentemente, a Justiça o condenou a 30 anos de prisão no processo da Operação Ethos, que investigou o setor jurídico da organização criminosa. Com essa decisão, o total das penas impostas a Marcola já ultrapassa 300 anos.

Para justificar a transferência de Marcola do presídio de Presidente Venceslau para Brasília, em 2019, promotores do Ministério Público de São Paulo afirmaram que o PCC planejava resgatá-lo.

De acordo com eles, foram gastas dezenas de milhões de dólares no plano, investindo em logística, compra de veículos blindados, aeronaves, material bélico, armamento de guerra e treinamento de pessoal.

Em nota, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) disse que as transferências de presos “são medidas rotineiras no Sistema Penitenciário Federal e são efetivadas por indicação da inteligência penitenciária, atividade essencial para orientar a definição de estratégias de combate ao crime organizado”.

Leia a nota do Depen na íntegra:

“Nesta quinta-feira, 3 de março, o Departamento Penitenciário Nacional realizou a transferência do interno Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, que estava custodiado na Penitenciária Federal em Brasília.

O Sistema Penitenciário Federal (SPF) é referência no Brasil e no mundo pelo combate ao crime organizado, mediante isolamento de lideranças criminosas e presos de alta periculosidade, graças a um rigoroso e eficaz regime de execução penal.

Por razões de segurança, o Depen não informará a unidade de destino do preso transferido.

As transferências de presos são medidas rotineiras no SPF e são efetivadas por indicação da inteligência penitenciária, atividade essencial para orientar a definição de estratégias de combate ao crime organizado.

A operação envolve a atuação de outros órgãos de segurança integrantes da estrutura do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a saber: Secretaria Nacional de Segurança Pública, por meio da Força Nacional de Segurança Pública; Polícia Rodoviária Federal; e Polícia Federal.”

Fonte: Metrópoles

O Jornal Digital Portal de Rondônia é um portal de notícias independente compromissado em transmitir os fatos, leva as principais notícias de Rondônia, do Brasil e do Mundo.

error: Ė vedada a reprodução de conteúdo sem a citação da fonte ou autorização do proprietário